Páginas

em inconstante definição.

sexta-feira, novembro 24, 2006


Tô atualmente trocando meus principios morais, boa saúde e meu desejo de emagrecer por bichinhos engraçados que vêm de brinde com sorvete do Mcdonald's. Tão lindinhos!Principalmente as aranhas(to aceitando dos meus amigos tbm, certo?)
Eu queria tanto um sapo ou uma girafa! mas só tenho aranhas e loris. Que droga!
^^

quinta-feira, novembro 23, 2006

Poxa...
Dia 31 de outubro, a Suka me deu uma linda cadernetinha de papel reciclado, com uma manchinha lilas em forma de flor.Linda...eu disse a ela que anotaria meus sonhos ali.Daí claro que a levo em toda vez que vou dormir fora de casa. Hoje, bem antes das sete, desci pra tomar café da manhacom ela e um monte de outras coisas. E ela desapareceu da mesa!!!! Assim, do nada! O pior que era a hora em que o pessoal saia (e passava do lado da mesa onde eu estava).A essa hora, alguem estará lendo meus sonhos??aiiiii Ainda bem que não tinha meu nome.


quarta-feira, novembro 15, 2006

Ohos cansados...


Sabe lá o passou na minha cabeça. Sei q foi um dia ruim, eu estava triste pra caramba e Os Gêmeos (meus vizinhos psicopatas) estavam na calçada ouvindo "olhos certos". E bah! ouvi e entrei em casa chorando.... Eu chorei ouvindo uma banda emo...E tô confessando isso no meu blog.("tempos difíceis estão por vir, Verbena" foi um dia em que só faltou aparecer alguem de barba branca e me dizer isso).Faz dias, foi no dia do post.Post bobo, como esse tbm.
Será q agora sou portadora de uma síndrome estranha? ou sempre fui? ¬¬
Estou me sentindo anormal demais...acho q preciso de umas férias.
frase da semana??ouvi ontem mil vez, de carona com o Pai do Hans-Thomas. taí, pra vcs...

"E eu não tenho nada a te dizer
Mas não me critique como eu sou
Cada um de nós é um universo, Pedro
Onde você vai eu também vou"

quinta-feira, novembro 09, 2006

Olhos Certos





=(

sábado, novembro 04, 2006

Adeus Ano Velho

* 02.11.2005
+ 02.11.2006

Posso contar o tempo de diversas formas - o ciclo da lua, ver o pobre calendário, o embalo das marés, meu próprio ciclo, o caminho que o sol faz pelo meu quarto alongando e encurtando os dias. Nenhuma, porém, satisfaz as realidades das minhas paixões. Canto para embalar meu conto nesse tempo incerto. Algo entre alternativo e inconstante, real e libertino - a rir-se de mim enquanto choro, estendo a mão para aí dançarmos juntos à beira do fogo...

Nobre poema todas as manhãs escrito! E fala de chuva, de calma, cinza, gotas salgadas num dia de sol (e azul), a surpresa de presentes inesperados, pés descalços na areia e o cheiro bom do café quando ainda estamos sonolentos na cama – impossível para quem mora só, mas ousamos sonhar.

Bom ano. Um dos mais diferentes nestes meus 25 anos, abriu possibilidades infindas de novos começos. O improvável, o inesperado. Perdas. Grandes erros. Acertos enormes. Até previsíveis, se eu tivesse parado para pensar -incoerência- enquanto vivia. Novos desejos e expectativas de quem ainda tem muito pela frente e mesmo não conseguindo tudo, querer já faz muito sentido.

Feliz Ano Novo!


quinta-feira, novembro 02, 2006

Resoluções de Beltane

Beltane passou e, contrariando as expectativas de alguns -as minhas tbm-, não escrevi nada de interessante no blog. Essa coisa minguada no blog são os efeitos da preguiça, aulas e muita coisa para escrever. Daí, quando sobra um tempinho, meus dedos pedem "penico". Ainda sobre o blog e Beltane, pensei até, no melhor estilo de besteirol hollywoodiano, em colocar um conto macabro originado das aulas de psicologia do mestre de Trevas. Em tempo, o que ele escreve não é de modo algum bobagem, mas essa de terror no Halloween é.
Aproveitei Beltane somente (?) para pensar, como que passando em revista várias coisas apenas armazenadas, amontoadas de qualquer jeito, ouvidas, lidas, mas que apenas constituíam um bolo de informações não-pensadas. E tomei algumas resoluções - pq esperar até o ano-novo? =). Algumas não, na verdade, muitas. Elas vieram chegando noite a fora, sonho e introspecção adentro, sem que me desse conta do peso de cada uma delas. Ao primeiro sol de novembro, as vi fortes e desejosas de vir-a-ser, partes de um lado mais forte e esperançoso que precisa aflorar em mim. Bem-vindas! E por favor, tenham paciência se por alguns instantes eu esquecer que vcs estão aqui...Amargas e suaves como o ramo da artemisia!